Luís Dill



Luis Dill - foto Leonardo Brasiliense

Luís Dill nasceu em Porto Alegre no dia 04 de abril de 1965. Formou-se em Jornalismo pela PUC / RS. Como jornalista já atuou em assessoria de imprensa, em jornal, em rádio, em televisão e em Internet. Atualmente é Produtor Executivo da Rádio FM Cultura na capital gaúcha onde reside. Como escritor estreou em 1990 com a novela policial juvenil A Caverna dos Diamantes. Atualmente tem 37 livros publicados, além de participações em diversas coletâneas. Também é colaborador de jornais e de revistas. Já foi finalista de diversos prêmios literários tendo recebido o Açorianos na categoria Conto pelo livro Tocata e Fuga (Bertrand Brasil) e na categoria Juvenil com o livro De carona, com nitro (Artes e Ofícios) e Decifrando Ângelo (Scipiome). Recebeu o prêmio Livro do Ano da Associação Gaúcha dos Escritores na categoria Poesia com o livro Estações da poesia(Positivo). Também foi laureado com o terceiro lugar do prêmio Biblioteca Nacional na categoria Juvenil com o livro O estalo (Positivo).  Na sua atividade de escritor, participa de feiras do livro em todo o Rio Grande do Sul e de variados tipos de encontros com leitores em escolas e universidades. O autor também ministra oficinas literárias e tem o site www.luisdill.com.br .


Eros e Psique - uma história de amor 
(Mundo Mirim, 2013)

Este reconto, do clássico mito grego, convida o leitor a refletir sobre a importância do enfrentamento das dificuldades, o poder destruidor da inveja e a força do verdadeiro amor.


Gritos na noite
(Mundo Mirim, 2013)

Este volume da coleção Cara e Coroa é mais uma empolgante obra que apresenta duas histórias: uma clássica e uma contemporânea, as quais vão surpreender o leitor. Na primeira, temos a certidão de nascimento dos contos policiais em "Os assassinatos da rua Morgue", de autoria do norte-americano Edgar Allan Poe, considerado o precursor do gênero. Já em "Gritos na noite", Luís Dill faz uma releitura do conto clássico, onde na primeira parte temos quase que uma paródia, e na segunda parte uma continuação da história relatada sessenta anos depois. Em ambas, o leitor envolve-se em textos que os tornam cúmplices das investigações.



A dor mais afiada
(Ed. 8Inverso, 2012)

Neste romance em mil capítulos, o mecânico Douglas comete um crime e foge. Na sua escapada tentará se compreender e encontrar o amor verdadeiro.



Olhos vendados
(DCL, 2007)


Finalista do Prêmio Açorianos

Trecho
Ela está viva.
Dou-lhe minha palavra de honra.
E tenho certeza de que a guria está viva porque estou olhando para ela enquanto escrevo estas linhas, prezado radialista. Embora esteja amordaçada, de olhos vendados e amarrada à cama, garanto, por tudo o que há de mais sagrado neste ou em qualquer outro mundo, que goza de boa saúde.
Claro, não sou médico nem psiquiatra. Mas tenho alguma experiência com pessoas e com relacionamentos, daí porque comunicar que ela está em ordem não é uma afirmação leviana, demagógica ou sem fundamento. Muito menos falsa.
É necessário alertá-lo para dois fatos:
1) isto NÃO é uma brincadeira e
2) também NÃO se trata de seqüestro.

clube-cova.jpg

Clube da cova
Editora Lê

Os moradores da pacata cidade de Rio Vermelho, desacostumados à violência, nunca poderiam imaginar os acontecimentos que entrariam para a história daquele lugar. Nem mesmo as quatro inseparáveis amigas ou o destemido Neumar... Narrativas paralelas se entrelaçam e envolvem o leitor nos delicados e conflitantes sentimentos que o grupo de adolescentes experimenta diante da mentira, do crime e da morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário