Caio Riter


Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. É Bacharel em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, e licenciado em Letras - Língua Portuguesa e Literaturas, pela Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras - FAPA/RS; é Mestre e Doutor em Literatura Brasileira, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É professor de Língua Portuguesa no Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, em Porto Alegre. Ministra oficinas literárias de narrativa no SINTRAJUFE-RS, desde 1999. (http://www.caioriter.com/)









Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter, é um livro que conversa o tempo todo com o leitor e confessa os desejos, os dramas, as inquietações e os segredos mais íntimos de uma garota e de um garoto: Letícia e Tadeu.









Há alguns anos, no reino de Vindor, eram três as princesas. Cada uma delas
representando uma das luas. Eram princesas em virtude de suas famílias serem da vertente dos primeiros fundadores do Reino. E, daquele trio de mulheres, dependia a segurança e a eternidade do Reino. Vindor era governada pelo Imperador. Homem jovem, descendente direto do Imperador Amarelo, cuja missão era governar o Reino. As três princesas eram participantes do governo, mas o poder estava nas mãos do Imperador. Sempre.


Pedro Noite é um garoto como os outros: vive a descoberta de si mesmo.
Mas sua história é atravessada por imagens que não o retratam, por um canto misterioso e por histórias que fazem parte de Pedro, mas que ele ainda não conhece...









Transformar-se em gente não é tarefa fácil. O Menino muito sofreu, muito chorou. Olhava o Pai e não entendia por que seu pai não era como os outros tantos pais: homens de palavras, homens de carinhos, homens de festa.









A quem cabe a formação do leitor?

A resposta mais imediata e óbvia sera "à Escola".

E a escola aceitou este papel.

Mas no caminho até o portão da escola, por onde andaram os meninos e as meninas? Que brincadeiras brincaram, que desafios enfrentaram, que histórias ouviram, que medos viveram, que descobertas enfim pautaram o caminho desses meninos na formação de leitores do mundo?


Sete Patinhos na Lagoa

Sete patinhos na lagoa
Editora Biruta
Educação Infantil e 1º ano EF

Esta é a história de sete patinhos e de um terrível jacaré.
Ou seriam seis patinhos? O fato é que a lagoa nunca mais foi a mesma depois que aqueles patinhos se viram frente a frente com o Barnabé.



bia-nando.jpg

Bia e Nando
Editora Compor
EF II

Bia e Nando são irmãos. A história deles  confunde-se com muitas outras que conhecemos. Eles têm pais que trabalham fora, uma avó dedicada e moderna, e  gostos diversos. Bia gosta de gibis e Nando é apaixonado por pesquisas científicas e por mágicas. Juntando o interesse de ambos, o autor teceu uma história de aventura que começou com a vontade em querer tirar um coelho da cartola...! 




Maria e seu sorriso na janela
Editora Gaivota
EF I

Era uma vez um menino, uma menina, um skate e uma janela. E quando a janela se abria, abria-se também o sorriso da menina que vivia naquela casa: Maria. Um dia, porém, Marcelo rodou com seu skate e Maria não veio mais para a janela.



Duas vezes na floresta escura.
Editora Gaivota
EF II

Susana se sentia sozinha naquela cidade em que pouco havia para se fazer. Todavia, aquela vida que, num primeiro momento, lhe pareceu insuportável, sofrida, foi se modificando. A garota conheceu a Bethânia, o Caetano, a Nicole. Conheceu também o César, um garoto estranho, que adorava espionar os outros. Até  que uma tragédia se abateu sobre a cidade. E Susana e seu amigos estavam bem próximos dela. Deles dependia a solução de um bárbaro crime.


vicente-palavras.jpg

Vicente em palavras
Editora Lê
EM

Várias vozes narram  a história de um jovem que sofre um acidente numa exibição de skate. O irmão, o pai, a mãe, a namorada – todos querem entender o que aconteceu com Vicente, tentando criar palavras que definam quem partiu tão cedo, era feliz, extrovertido, sorriso de ganhar o mundo, e não voltaria nunca mais.